O que eu aprendi ouvindo o Barack Obama ao vivo

Atualizado: 12 de Abr de 2021


Poucas vezes (talvez nunca) eu imaginei estar presente no mesmo local e ouvir um pouco da perspectiva de alguém tão ilustre quanto o 44º Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama. Eu tive essa oportunidade hoje (30/05/2019) no Vtex Day aqui em São Paulo.


Foi uma lição de humildade, liderança e consciência, principalmente autoconsciência. Não pretendo escrever sobre ele aqui, mas sim sobre as impressões e impacto que teve a sua presença e o que ele disse.


Já no início da conversa ele fala de erro: "I failed a lot and I survived" (eu falhei muito e eu sobrevivi). A grandeza de ouvir algo positivo de um dos maiores líderes da atualidade sobre erro, é algo extremamente impactante. O cara foi presidente da maior potência do mundo e não se intimida em expor toda a sua vulnerabilidade. Inclusive, vulnerabilidade foi a maior virtude dele durante a palestra. Ele seguiu com ela ao longo das próximas perguntas, falando sobre como tem "blank spots" (espaços em branco) na sua percepção e que por isso precisa de outras pessoas, diferentes dele, para ajudá-lo a tomar as decisões e compor os cenários. Completou dizendo: "por isso sempre tenho mulheres nas mesas de discussão comigo". Falou da importância da diversidade! Falou que parte do êxito do seu país se deve às pessoas que vêm de fora e chegam até lá, diferentes. Por ele ser vulnerável, entende seus "gaps", acolhe nos outros as qualidades que lhe faltam e usa as diferenças a seu favor. Este não é um discurso vazio!


Logo mais, ele fala de oportunidades e de o quanto nós perdemos como sociedade por não as dar a todos. "Eu era igual a qualquer menino de 10 anos na favela com a essa idade, a diferença que me fez ser presidente, foi ter tido acesso à educação de excelência". Uma frase perfeitamente colocada no momento político e histórico que vivemos no Brasil hoje, onde alguém de fora, entende muito bem o que estamos passando e que, com toda a sutileza do mundo, deixa seu recado para quem quiser escutar. Quase no final do evento diz que sente orgulho de si e lembra que passou por 8 anos sem qualquer sugestão a ser preso. Difamou a corrupção, alegando que qualquer bem a mais que você venha a adquirir além daqueles que lhe permitam ter uma moradia, segurança, educação e saúde para seus filhos e momentos de lazer, não vão lhe trazer mais felicidade... felicidade não é sobre isso!


E para terminar o que mais me impactou, foi entender o que é liderança para ele. Um líder não precisa saber todas as respostas, como muitas pessoas acreditam ser, ele precisa ser aquele que sabe fazer as perguntas certas. Neste contexto, não há a necessidade de temer saber menos que alguém do seu time. Mais uma vez ele se mostra vulnerável. Nem sempre se é possível garantir tomar a decisão correta como líder, mas o que pode ser garantido é explorar todas as opções possíveis com as informações que se têm para que a melhor decisão possível seja seguida.


Depois de todos estes ensinamentos (e muitos outros, na verdade, pois aqui estou trazendo a minha perspectiva do que foi falado), fica fácil entender todo o magnetismo e carisma que envolve a figura do Obama. Ele fecha: "Continuem otimistas". Eu confesso que depois de hoje... eu fiquei mais otimista! Existe alguém assim que chegou ao poder! Para quantos mais nós precisamos abrir o caminho para gerar mudança?

Originalmente em 30 de Março de 2019.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo